NOVIDADES

A-
A+

Edições de 2015

» Empresário assume Vice Presidência no Conselho Diretor Nacional do IBEF » Instituto realiza atualização permanente do cadastro dos seus associados

Edições de 2013

» Retenção de talentos será tema do próximo café da manhã » Prêmio IBEF de Sustentabilidade celebra práticas empresariais sustentáveis » Custo da burocracia para a abertura de capitais » Congresso Nacional de Executivos de Finanças será em outubro » Notícias publicadas sobre o IBEF-PE disponíveis no site » Opinião: associados podem colaborar com as “Palavras do IBEF-PE” » Executivos conhecem projeto que revitalizará área portuária do Centro do Recife » Conef 2013 será em outubro no Rio de Janeiro » Sustentabilidade da economia brasileira e pernambucana só é possível com o fim de antigos problemas fiscais e de infraestrutura » Posse da diretoria nacional conta com a presença de presidentes das seccionais do IBEF » IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União » IBEF-PE com foco na divulgação de suas atividades e comunicação com associados » Site institucional reformulado » Conselho Diretor conta com novos integrantes e configuração » IBEF-PE é destaque na Revista Algo Mais » Poupança registrou captação líquida de R$ 2,3 bilhões em fevereiro » Copom mantém taxa Selic em 7,25% ao ano » Os 5 vilões do endividamento » Dívida nem sempre é ruim; especialistas explicam o porquê

Edições de 2012

» Opinião – “Breves considerações sobre a Tributação Ambiental no Brasil” » "Guerra dos Portos" prejudica o progresso? » Por que tão poucas empresas familiares conseguem chegar à segunda geração? » Fiscalização tem foco nos grandes » Copom acelera o ritmo e reduz a Selic para 9,75% ao ano » Qual é a melhor empresa do Brasil? » Petrobras prevê aumentar produção em 367 mil barris diários » Quer investir em imóveis? Confira 10 dicas para se dar bem neste mercado » Como caçar pechinchas no mercado imobiliário » Quer ter sucesso nos investimentos? Veja 10 livros que podem ajudar » Investir em imóveis ou fundos imobiliários? Veja qual a melhor opção

Edições de 2011

» Petrobras já captou US$ 18 bilhões este ano, diz gerente da Petrobras em seminário » Fim da transição fiscal » Companhias tiveram menos problemas ao adotar padrão contábil internacional » Indústria e comércio aprovam corte na Selic e afastam riscos inflacionário » Comprar imóvel na planta requer atenção redobrada às finanças » Comportamento identifica se pessoa tende a se tornar inadimplente » Psicologia revela propensão a dar calote » Adiantar 13º é indicado para quem tem dívida; confira condições » Morar ou investir: critérios para compra de imóveis são diferentes, dizem especialistas » Crise: novo patamar de crescimento » 4 estratégias para vender seu imóvel mais rápido » Vencedor do Prêmio Revelação em Finanças em 2010 realiza debate no IBEF SP » Qual o perfil e quanto ganha um consultor? » Fundos imobiliários ganham força no País » Brasil sofre mais para recrutar no setor financeiro » Mercado brasileiro é destaque de palestra no IBEF » Apesar da crise, 75% dos executivos de finanças manterão os investimentos até o final do ano » Executivo brasileiro considera crise atual menos intensa que a de 2008 » Previdência privada cresce, mas controlar recursos tem vantagens » Para executivos de SP, crise atual é menos preocupante que a de 2008 » Redução da Selic agrada comércio e indústria, mas ambos querem novas quedas » COPOM: Para IBEF, corte na Selic foi decisão acertada » IBEF Premia empresas com excelência em sustentabilidade » Qual é a melhor maneira de comprar a casa própria? » Executivos esperam escassez de ofertas até o fim de 2011 » Aplicar em imóveis dispensa fortes emoções » Pesquisa revela que Governança Corporativa agrega valor às empresas » Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos » Para IBEF, alta da Selic compromete a competitividade das empresas no Brasil » Sem surpresa, Copom sobe a Selic pela 5ª vez seguida, para 12,50% ao ano » IBEF SP e KPMG buscam revelações em finanças no setor de seguros » Imóveis: com alta de preços, especialistas comentam se é melhor comprar ou alugar » Análise: Após três anos de alta, preço de imóvel pode cair a partir dos próximos meses » Ibef. Tênis e negócios » Governo lança hoje previdência para atletas » 'BC já vê 2011 como um caso perdido', diz presidente do IBEF » Imóvel deve ser visitado antes da compra no Feirão da Caixa » Transportes Metropolitanos terá 90% de verba liberada em SP » Dividido, Copom eleva juros a 12% » Prepare o seu bolso: os juros devem continuar subindo » Economia brasileira vai bem, mas surgem sinais de alerta

Dividido, Copom eleva juros a 12%

Abril 21, 2011

Banco Central vê incertezas na economia e eleva Selic em 0,25 ponto porcentual, com 5 votos a favor e 2

O Comitê de Política Monetária (Copom) chancelou a expectativa do mercado de juros futuros de diminuição no ritmo de aperto monetário e elevou a taxa básica do País (Selic) em 0,25 ponto porcentual. Com isso, a Selic atingiu 12% ao ano, nível mais elevado desde o período de 22 de janeiro a 11 de março de 2009, quando o juro básico vigente foi de 12,75% ao ano. A decisão não foi unânime. Cinco integrantes do comitê votaram por alta de 0,25 ponto porcentual, enquanto dois por elevação de 0,50 ponto.

"Considerando o balanço de riscos para a inflação, o ritmo ainda incerto de moderação da atividade doméstica, bem como a complexidade que ora envolve o ambiente internacional, o Comitê entende que, neste momento, a implementação de ajustes das condições monetárias por um período suficientemente prolongado é a estratégia mais adequada para garantir a convergência da inflação para a meta em 2012", informou o comunicado do BC, que foi interpretado como indicação de que pelo menos mais uma elevação da Selic será feita. A próxima reunião do Comitê está programada para os dias 7 e 8 de junho.

Sob a presidência de Alexandre Tombini e com uma diretoria composta exclusivamente por funcionários públicos, o ajuste nos juros este ano já soma 1,25 ponto porcentual, bem próximo do aperto de 1,5 ponto porcentual promovido por Henrique Meirelles quando este assumiu o BC do governo Lula em 2003. Na gestão Meirelles, no entanto, o ajuste no juro ocorreu sobre uma base mais elevada, já que a Selic herdada foi de 25% ao ano e dava continuidade a um ajuste iniciado pelo governo anterior, logo após as eleições, que já tinha subido o juro básico em 7 pontos porcentuais.

Risco. Apesar de o BC de fato estar apertando as condições da economia - tanto via alta de juros, como por meio de medidas de contenção de crédito -, a autoridade monetária ainda está sob fogo cruzado do mercado financeiro.

A avaliação é de que, diante do quadro inflacionário bastante preocupante, com a inflação já rodando em 12 meses próximo do teto da meta (6,5%), e dos sinais de que a economia ainda tem uma demanda interna pujante, o BC brasileiro estaria assumindo riscos demais com a atual política de ajuste gradual dos juros.

Para o economista do BES Investimento Flavio Serrano, a decisão de subir a Selic em 0,25 ponto porcentual indica que o processo de aperto monetário está no final e que alguma outra medida macroprudencial (que tem sido usada para arrefecer o ritmo do crédito) deverá ser adotada para complementar a política monetária.

Na visão dele, uma alta de 0,5 ponto, que era esperada pela maioria dos departamentos econômicos, seria uma demonstração de maior atenção do BC com o processo inflacionário que está instalado no País.

Serrano explicou que, dado o movimento de aumento nos núcleos de inflação (que retiram o impacto dos choques em alguns preços, como alimentos) desde o fim do ano passado (e que a divulgação do IPCA-15 mostrou que se manteve em curso este mês), o ciclo de aperto monetário deveria ter começado antes e ter sido mais agressivo.

"A estratégia do BC pode até dar certo, mas ela considera que não haverá mais qualquer choque. E, no nível que a inflação está, até um choque pequeno pode colocar em risco o cumprimento da meta", disse Serrano, lembrando que a inflação neste ano já deve ficar pelo segundo ano seguido acima do centro da meta, o que não é bom para a credibilidade do BC. "O BC está com uma estratégia restritiva, mas que não é confortável. Achamos que poderia ter sido mais incisivo."

Do lado do BC, o último relatório de inflação deixou claro que a autoridade monetária está de olho não só em domar a inflação, mas também em não sacrificar demais o crescimento econômico. Por isso, o documento trouxe explicitamente que o BC não vai buscar o centro da meta (4,5%) neste ano, apostando que este objetivo será alcançado em 2012.

O BC já se preparou para conviver com críticas até o terceiro trimestre, enquanto a inflação em 12 meses estiver rodando em níveis elevados, mas espera que no final do ano o IPCA acumulado comece a desenhar claramente a trajetória de convergência para a meta de 4,5%, que já poderá ser alcançada até o segundo trimestre do ano que vem.

Terceira alta

0,25 ponto foi em quanto o Copom do Banco Central aumentou ontem a taxa básica de juros para 12% ao ano na terceira alta seguida em 2011

A-
A+

PATROCINADORES




Desenvolvido por: