NOVIDADES

A-
A+

Edições de 2015

» Empresário assume Vice Presidência no Conselho Diretor Nacional do IBEF » Instituto realiza atualização permanente do cadastro dos seus associados

Edições de 2013

» Retenção de talentos será tema do próximo café da manhã » Prêmio IBEF de Sustentabilidade celebra práticas empresariais sustentáveis » Custo da burocracia para a abertura de capitais » Congresso Nacional de Executivos de Finanças será em outubro » Notícias publicadas sobre o IBEF-PE disponíveis no site » Opinião: associados podem colaborar com as “Palavras do IBEF-PE” » Executivos conhecem projeto que revitalizará área portuária do Centro do Recife » Conef 2013 será em outubro no Rio de Janeiro » Sustentabilidade da economia brasileira e pernambucana só é possível com o fim de antigos problemas fiscais e de infraestrutura » Posse da diretoria nacional conta com a presença de presidentes das seccionais do IBEF » IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União » IBEF-PE com foco na divulgação de suas atividades e comunicação com associados » Site institucional reformulado » Conselho Diretor conta com novos integrantes e configuração » IBEF-PE é destaque na Revista Algo Mais » Poupança registrou captação líquida de R$ 2,3 bilhões em fevereiro » Copom mantém taxa Selic em 7,25% ao ano » Os 5 vilões do endividamento » Dívida nem sempre é ruim; especialistas explicam o porquê

Edições de 2012

» Opinião – “Breves considerações sobre a Tributação Ambiental no Brasil” » "Guerra dos Portos" prejudica o progresso? » Por que tão poucas empresas familiares conseguem chegar à segunda geração? » Fiscalização tem foco nos grandes » Copom acelera o ritmo e reduz a Selic para 9,75% ao ano » Qual é a melhor empresa do Brasil? » Petrobras prevê aumentar produção em 367 mil barris diários » Quer investir em imóveis? Confira 10 dicas para se dar bem neste mercado » Como caçar pechinchas no mercado imobiliário » Quer ter sucesso nos investimentos? Veja 10 livros que podem ajudar » Investir em imóveis ou fundos imobiliários? Veja qual a melhor opção

Edições de 2011

» Petrobras já captou US$ 18 bilhões este ano, diz gerente da Petrobras em seminário » Fim da transição fiscal » Companhias tiveram menos problemas ao adotar padrão contábil internacional » Indústria e comércio aprovam corte na Selic e afastam riscos inflacionário » Comprar imóvel na planta requer atenção redobrada às finanças » Comportamento identifica se pessoa tende a se tornar inadimplente » Psicologia revela propensão a dar calote » Adiantar 13º é indicado para quem tem dívida; confira condições » Morar ou investir: critérios para compra de imóveis são diferentes, dizem especialistas » Crise: novo patamar de crescimento » 4 estratégias para vender seu imóvel mais rápido » Vencedor do Prêmio Revelação em Finanças em 2010 realiza debate no IBEF SP » Qual o perfil e quanto ganha um consultor? » Fundos imobiliários ganham força no País » Brasil sofre mais para recrutar no setor financeiro » Mercado brasileiro é destaque de palestra no IBEF » Apesar da crise, 75% dos executivos de finanças manterão os investimentos até o final do ano » Executivo brasileiro considera crise atual menos intensa que a de 2008 » Previdência privada cresce, mas controlar recursos tem vantagens » Para executivos de SP, crise atual é menos preocupante que a de 2008 » Redução da Selic agrada comércio e indústria, mas ambos querem novas quedas » COPOM: Para IBEF, corte na Selic foi decisão acertada » IBEF Premia empresas com excelência em sustentabilidade » Qual é a melhor maneira de comprar a casa própria? » Executivos esperam escassez de ofertas até o fim de 2011 » Aplicar em imóveis dispensa fortes emoções » Pesquisa revela que Governança Corporativa agrega valor às empresas » Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos » Para IBEF, alta da Selic compromete a competitividade das empresas no Brasil » Sem surpresa, Copom sobe a Selic pela 5ª vez seguida, para 12,50% ao ano » IBEF SP e KPMG buscam revelações em finanças no setor de seguros » Imóveis: com alta de preços, especialistas comentam se é melhor comprar ou alugar » Análise: Após três anos de alta, preço de imóvel pode cair a partir dos próximos meses » Ibef. Tênis e negócios » Governo lança hoje previdência para atletas » 'BC já vê 2011 como um caso perdido', diz presidente do IBEF » Imóvel deve ser visitado antes da compra no Feirão da Caixa » Transportes Metropolitanos terá 90% de verba liberada em SP » Dividido, Copom eleva juros a 12% » Prepare o seu bolso: os juros devem continuar subindo » Economia brasileira vai bem, mas surgem sinais de alerta

Fiscalização tem foco nos grandes

Março 19, 2012

Por Paulo Fortuna | Para o Valor, de São Paulo

A Receita Federal espera manter o ritmo de crescimento das autuações neste ano, repetindo o desempenho de 2011, quando foi registrada uma alta de 21,25% no valor das penalidades em relação ao ano anterior, atingindo o recorde de R$ 109,3 bilhões. De acordo com o subsecretário de fiscalização da Receita, Caio Cândido, o órgão vai manter, entre outras ações previstas, a estratégia de focar em grandes contribuintes, responsável em grande medida pelos resultados de 2011. Ele citou como exemplo a seleção de 50 empresas para fiscalização de ágio interno, um tipo de operação em que uma companhia compra outra do mesmo grupo por um valor fictício e superavaliado, com o objetivo de gerar despesa e conseguir deduções. No ano passado, uma operação com o mesmo perfil gerou multas que totalizaram R$ 10,6 bilhões.

"Não houve um aumento da sonegação e sim um aperfeiçoamento dos métodos de fiscalização da Receita. Acreditamos que neste ano haverá novo crescimento na quantidade e no valor das atuações, embora não haja como estimar um porcentual." O subsecretário diz que os ganhos proporcionados pela melhoria da fiscalização podem crescer. "A fiscalização mais rigorosa aumenta a percepção do risco e inibe a sonegação."

De acordo com Cândido, o resultado de 2011 foi proporcionado em grande parte por ações tomadas a partir de 2010, com a uniformização das regras e a melhoria dos métodos de fiscalização. Segundo ele, há hoje uma programação de equipes de fiscalização de grandes contribuintes em todas as regiões do país, além das três Delegacias de Grandes Contribuintes, duas de pessoas jurídicas (São Paulo e Rio de Janeiro) e a outra de pessoa física, de Belo Horizonte, que coordena os trabalhos nacionais para este segmento.

No caso de pessoas jurídicas, as maiores autuações ocorreram no setor industrial, com R$ 30,9 bilhões. Em relação às pessoas físicas, R$ 1,6 bilhão de multas foram aplicadas a donos e dirigentes de empresas. A maior parte é relativa a compensação indevida de créditos de PIS e Cofins.

As autuações no setor financeiro atingiram R$ 11,6 bilhões no ano passado. Neste caso, a fiscalização apurou principalmente a incorporação indevida de perdas em empréstimos, ou seja, contabilização como prejuízo, e um grande volume de compensações vedadas por lei de PIS e Cofins.

No setor de serviços de comunicação, energia e água, a Receita detectou que algumas concessionárias vinham fazendo amortização do valor pago na concessão pelo prazo mínimo de cinco anos, enquanto a lei diz que é preciso amortizar pelo tempo da concessão. Se a empresa amortiza em prazo menor, ela reduz o IR a pagar. Nesse segmento, as autuações somaram R$ 5,5 bilhões.

Em 2011, houve queda no número de pessoas físicas com problemas na declaração do IR, mas subiu o valor das autuações de contribuintes presos na malha fina. O valor médio cobrado passou de R$ 10,6 mil em 2010 para R$ 15,7 mil no ano passado. O número de autuações caiu de 520 mil em 2010 para 382 mil em 2011. Entretanto, o valor total cobrado dos contribuintes em multas e imposto aumentou de R$ 5,5 bilhões para R$ 6 bilhões. A possibilidade de regularização das declarações do IR pelo próprio contribuinte explica parcialmente a queda no número de autuações, na avaliação do subsecretário.

O vice-presidente do Instituto Brasileiro de Executivos Brasileiros de São Paulo (Ibef-SP), André Souza, destaca que os investimentos da Receita em inteligência e tecnologia têm contrapartida importante por parte de muitas empresas, que também estão aperfeiçoando suas áreas dedicadas ao setor tributário "Não cabe mais às empresas, seja qual for o porte delas, fazer aventuras tributárias", ressalta. Segundo Souza, o novo ciclo de "governança tributária" faz com os que os departamentos dedicados aos impostos ganhem importância nas companhias. "Vemos cada vez mais gerentes ou diretores tributários nas empresas, o que proporciona qualidade das informações e evita inconsistências que poderiam gerar multas.

A-
A+

PATROCINADORES




Desenvolvido por: