NOVIDADES

A-
A+

Edições de 2015

» Empresário assume Vice Presidência no Conselho Diretor Nacional do IBEF » Instituto realiza atualização permanente do cadastro dos seus associados

Edições de 2013

» Retenção de talentos será tema do próximo café da manhã » Prêmio IBEF de Sustentabilidade celebra práticas empresariais sustentáveis » Custo da burocracia para a abertura de capitais » Congresso Nacional de Executivos de Finanças será em outubro » Notícias publicadas sobre o IBEF-PE disponíveis no site » Opinião: associados podem colaborar com as “Palavras do IBEF-PE” » Executivos conhecem projeto que revitalizará área portuária do Centro do Recife » Conef 2013 será em outubro no Rio de Janeiro » Sustentabilidade da economia brasileira e pernambucana só é possível com o fim de antigos problemas fiscais e de infraestrutura » Posse da diretoria nacional conta com a presença de presidentes das seccionais do IBEF » IBEF apoia reequilíbrio das dívidas dos estados e municípios com a União » IBEF-PE com foco na divulgação de suas atividades e comunicação com associados » Site institucional reformulado » Conselho Diretor conta com novos integrantes e configuração » IBEF-PE é destaque na Revista Algo Mais » Poupança registrou captação líquida de R$ 2,3 bilhões em fevereiro » Copom mantém taxa Selic em 7,25% ao ano » Os 5 vilões do endividamento » Dívida nem sempre é ruim; especialistas explicam o porquê

Edições de 2012

» Opinião – “Breves considerações sobre a Tributação Ambiental no Brasil” » "Guerra dos Portos" prejudica o progresso? » Por que tão poucas empresas familiares conseguem chegar à segunda geração? » Fiscalização tem foco nos grandes » Copom acelera o ritmo e reduz a Selic para 9,75% ao ano » Qual é a melhor empresa do Brasil? » Petrobras prevê aumentar produção em 367 mil barris diários » Quer investir em imóveis? Confira 10 dicas para se dar bem neste mercado » Como caçar pechinchas no mercado imobiliário » Quer ter sucesso nos investimentos? Veja 10 livros que podem ajudar » Investir em imóveis ou fundos imobiliários? Veja qual a melhor opção

Edições de 2011

» Petrobras já captou US$ 18 bilhões este ano, diz gerente da Petrobras em seminário » Fim da transição fiscal » Companhias tiveram menos problemas ao adotar padrão contábil internacional » Indústria e comércio aprovam corte na Selic e afastam riscos inflacionário » Comprar imóvel na planta requer atenção redobrada às finanças » Comportamento identifica se pessoa tende a se tornar inadimplente » Psicologia revela propensão a dar calote » Adiantar 13º é indicado para quem tem dívida; confira condições » Morar ou investir: critérios para compra de imóveis são diferentes, dizem especialistas » Crise: novo patamar de crescimento » 4 estratégias para vender seu imóvel mais rápido » Vencedor do Prêmio Revelação em Finanças em 2010 realiza debate no IBEF SP » Qual o perfil e quanto ganha um consultor? » Fundos imobiliários ganham força no País » Brasil sofre mais para recrutar no setor financeiro » Mercado brasileiro é destaque de palestra no IBEF » Apesar da crise, 75% dos executivos de finanças manterão os investimentos até o final do ano » Executivo brasileiro considera crise atual menos intensa que a de 2008 » Previdência privada cresce, mas controlar recursos tem vantagens » Para executivos de SP, crise atual é menos preocupante que a de 2008 » Redução da Selic agrada comércio e indústria, mas ambos querem novas quedas » COPOM: Para IBEF, corte na Selic foi decisão acertada » IBEF Premia empresas com excelência em sustentabilidade » Qual é a melhor maneira de comprar a casa própria? » Executivos esperam escassez de ofertas até o fim de 2011 » Aplicar em imóveis dispensa fortes emoções » Pesquisa revela que Governança Corporativa agrega valor às empresas » Como praticar a melhor gestão de pessoas e processos » Para IBEF, alta da Selic compromete a competitividade das empresas no Brasil » Sem surpresa, Copom sobe a Selic pela 5ª vez seguida, para 12,50% ao ano » IBEF SP e KPMG buscam revelações em finanças no setor de seguros » Imóveis: com alta de preços, especialistas comentam se é melhor comprar ou alugar » Análise: Após três anos de alta, preço de imóvel pode cair a partir dos próximos meses » Ibef. Tênis e negócios » Governo lança hoje previdência para atletas » 'BC já vê 2011 como um caso perdido', diz presidente do IBEF » Imóvel deve ser visitado antes da compra no Feirão da Caixa » Transportes Metropolitanos terá 90% de verba liberada em SP » Dividido, Copom eleva juros a 12% » Prepare o seu bolso: os juros devem continuar subindo » Economia brasileira vai bem, mas surgem sinais de alerta

Dívida nem sempre é ruim; especialistas explicam o porquê

Fevereiro 22, 2013

Do UOL, em São Paulo

O endividamento é normalmente encarado como o vilão do orçamento das famílias, mas nem sempre o quadro é tão negativo. Algumas dívidas podem representar ganho futuro para o consumidor, compensando o gasto que ele teve com os juros.
A compra à vista, claro, deve ser sempre a opção número um. Quando não for possível esperar para comprar um bem, é preciso analisar se vale a pena mesmo entrar num financiamento. Alguns representam perdas menores do que outros.

As “dívidas do bem”, diz o vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel de Oliveira, são aquelas que aumentam o patrimônio do tomador.

Ele cita o caso da compra de um imóvel: o consumidor paga caro pelo financiamento, mas, em compensação, a casa ou apartamento tendem a se valorizar ao longo dos anos. Além disso, quem consegue substituir o aluguel pela prestação de um financiamento geralmente faz um bom negócio, ainda que esteja entrando numa dívida.

Outra dívida citada pelos especialistas como positiva é aquela destinada à educação própria ou à dos filhos.
“Claro que isso sempre vai depender do curso que a pessoa vai fazer. Mas, se for algo que dará retorno financeiro no futuro e fará o salário aumentar, pode ser uma dívida boa”, exemplifica Luiz Calado, vice-presidente do Instituto Brasileiros dos Executivos de Finanças (Ibef).

Tomar empréstimo para investir em um negócio próprio é outra dívida “do bem”, diz Ricardo Mollo, professor de finanças do Insper. Nesse caso, o resultado pode ser um aumento de vendas e do rendimento do consumidor.

Dívidas “do mal” são também as mais caras.
Na outra ponta, as dívidas “do mal” são facilmente reconhecidas pelo consumidor. Miguel de Oliveira, da Anefac, resume: elas são caras e, quando deixam de existir, não representam ganhos para tomador.
Ele cita os exemplos do rotativo do cartão de crédito (juros médios de 9,37% ao mês, ou 192,94% ao ano, segundo a Anefac) e do cheque especial (7,77% ao mês e 145,46% ao ano).

A compra de uma casa na praia ou no campo que é pouco usada durante o ano é outro compromisso ruim. “Nesse caso, o patrimônio até aumenta, mas é preciso arcar com custos de manutenção e condomínio que podem não compensar a dívida”, diz Oliveira.

Endividar-se para comprar um carro, ainda que seja a opção de grande parte dos consumidores, dificilmente é um bom negócio. Assim que sai da concessionária, o carro perde 20% do valor. Na hora da revenda, o preço cai ainda mais.

“Além disso, o consumidor terá gastos com manutenção, licenciamento, combustível e estacionamento. Muita gente não considera esses gastos, não consegue pagar o financiamento e tem o carro retomado”, diz Miguel de Oliveira.

COMPROMETER TODA A RENDA COM DÍVIDAS – É natural que quem tem dívidas queira sair delas o quanto antes. Mas a planejadora financeira Rosário Pujado alerta: quem compromete uma parte muito grande da renda com as parcelas dificilmente consegue pagá-las. O ideal, diz ela, é que as dívidas (todas elas, incluindo prestação da casa própria) correspondam a no máximo 30% do salário líquido do consumidor. Marcelo Justo/Folhapress

http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/02/22/divida-nem-sempre-e-ruim-especialistas-explicam-o-porque.htm

Veículo: economia.uol.com.br

A-
A+

PATROCINADORES




Desenvolvido por: