PALAVRAS DO IBEF Pernambuco

A-
A+

Em 2011

» O custo da evolução contábil para a incorporação imobiliária no Brasil » Um grande avanço nas práticas contábeis » Expansão sustentável » Contabilidade e contabilistas, o grande avanço da profissão » Meritocracia - otimizando resultados » Quanto vale o seu negócio? » A importância de uma gestão estratégica » Informação: o segredo da boa gestão » O resultado é sempre do grupo » A Importância do Networking

A importância de uma gestão estratégica

Flávio Carvalho

Semanas atrás, um dado apresentado no módulo de “Fundamentos da Estratégia”, disciplina do MBA em Finanças que curso, me deixou inquieto e provocou uma reflexão que compartilho agora com vocês.

De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral em 2007, das 500 maiores e mais importantes empresas do país em 1973, apenas 117 empresas, 23,4% do total, ainda continuavam a atender com excelência em suas respectivas áreas de atuação. Isso mesmo, apenas 117 empresas!

As 383 empresas restantes, 76,6% do total analisado, simplesmente desapareceram, foram absorvidas por seus concorrentes, privatizadas ou fundiram-se a outras empresas.

Fui buscar na memória nomes de grandes corporações internacionais, nacionais e locais de minha infância, que simplesmente desapareceram. Para quem tem mais de 40 anos, impossível não lembrar desse jingle: “O tempo passa, o tempo voa, e a poupança Bamerindus continua numa boa...” do Banco Bamerindus. Além dele, o tempo também passou para outras empresas que com uma ponta de nostalgia cito agora: PANAN, Mesbla, Mappin, Arapuã, Transbrasil, Vasp, Varig (a antiga), Banco Econômico e muitas outras que já não existem mais e que vão se apagando da memória.

Localmente, posso citar ainda como exemplos: o Banorte, a Viana Leal, a Karblen, entre outras.

Nos exemplos acima, fica claro que por maior que seja um conglomerado, isso por si só não garante a sua sobrevivência. Se isso fosse verdade, um dos maiores impérios que a humanidade já conheceu, o Romano, e a grande maioria das empresas citadas, ainda fariam parte de nosso dia a dia.

A pergunta principal que gostaria de dividir com vocês é a seguinte:

O que aconteceu para que essas empresas simplesmente desaparecessem do mercado? Como essas gigantes, em todos os sentidos, com uma fatia de participação de mercado tão grande, que a distância para o seu concorrente mais próximo era imensa, sumiram? Como essas empresas, que em seu corpo técnico traziam profissionais preparados e grandes equipes de “especialistas”, simplesmente deixaram de fazer parte do universo corporativo?

O mercado consumidor não foi o responsável, pois os produtos e serviços oferecidos por aquelas empresas ainda continuam sendo absorvidos, em diversos casos, em maior escala que antes. Prova disso é que o espaço deixado por essas empresas foi rapidamente ocupado por seus concorrentes diretos, como: a TAM, a GOL, Lojas Insinuante, Casas Bahia. A maioria da turma concluiu que o motivo principal (mas não o único) do desaparecimento dessas empresas, foi falha na “GESTÃO DO NEGÓCIO”.

Em algum momento de sua existência essas empresas cometeram erros na sua gestão operacional/estratégica que culminaram com seu desaparecimento do mercado.

Por terem se acomodado, achando que eram “grandes demais” para serem ameaçadas por seus concorrentes. Por acharem que sua gestão era “perfeita demais” para provocar erros, não sendo preciso se questionar ou se reinventar constantemente, seja para atender um novo tipo de mercado ou um novo tipo de consumidor (este último mais cauteloso, exigente e muito mais informado).

Tudo isso me fez refletir como é importante que a gestão de uma empresa, seja ela familiar ou não, de grande, médio ou pequeno porte, deve ser pautada no profissionalismo e no bom senso de seus dirigentes, que devem estar sempre atentos e preparados para perceber as oportunidades e desafios que o seu negócio irá enfrentar.

Por isso, seja você um empresário, um executivo de uma corporação ou um profissional que executa suas atividades com qualidade em determinada área, reflita e se questione permanentemente: Qual a estratégia que eu estou preparando para a gestão de minha empresa, da minha carreira e da minha vida? E o mais importante, esteja sempre “inquieto” para não se acostumar com o que está a sua volta, seja em sua empresa ou em sua vida, pois sempre podemos melhorar o que estamos fazendo hoje.

Pense nisso, sucesso e boa sorte!

Flávio Carvalho é Controller do Grupo ViaSul e Vice-Presidente de Eventos do IBEF Pernambuco


E-mail: flavio.carvalho@viasul.com.br

Faça o download.

Os artigos publicados são de inteira e única
responsabilidade de seus respectivos autores,
não refletindo obrigatoriamente a opinião da revista.

A-
A+

PATROCINADORES




Desenvolvido por: